Notícias
Imagem Ilustrativa Notícias

14/06/2012 - Empreendedor: saiba como lidar com reclamações de clientes - UOL

Por Larissa Coldibeli
Do UOL, em São Paulo

Pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor), as empresas têm um prazo de 30 dias para avaliar e dar um posicionamento sobre as reclamações dos clientes sobre produtos e serviços.
Para Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, tão importante quanto resolver o problema do consumidor é informá-lo sobre o andamento da questão.
“Um cliente pode alavancar ou derrubar o nome de uma empresa. É importante que os empresários conheçam as deficiências do seu negócio para agir preventivamente, demonstrando respeito pelo consumidor”, afirma.
O que fazer se for reclamado
Se um cliente se sentir insatisfeito com um produto ou serviço, ele possui algumas maneiras de reclamar e exigir seus direitos.
O advogado Fábio Korenblum, sócio do escritório Siqueira Castro e especialista em direito do consumidor, explica que é difícil definir o que pode ser reclamado. “O cliente pode reclamar se sentir-se lesado, ou seja, é algo subjetivo”, afirma.
Para evitar queixas, ele recomenda que as empresas passem o máximo de informações possível sobre seu produto ou serviço antes de fechar o negócio. E, quando elas ocorrem, é preciso ouví-las e atendê-las.
“Mesmo que o cliente não tenha razão em sua queixa, o melhor a fazer é tentar um acordo, pois ele pode partir para os órgãos de defesa do consumidor, ou mesmo para o Judiciário, o que gera multas e gastos maiores, muitas vezes, do que o bem negociado”, declara.
Queixas geram multas e até perda do alvará
Conforme a reclamação, além de multas, a empresa corre o risco de sofrer sanções administrativas e penais, como perda do alvará de funcionamento, interdição e pode até ser fechada, caso seja identificada a prática de algum crime durante a investigação.
Mesmo nos canais não oficiais de reclamação, como o site Reclame Aqui e as redes sociais, a melhor postura é sempre a da conciliação.
“A informação circula muito rápido na internet. Utilize essas redes para se comunicar com o consumidor e tentar manter a imagem da empresa, afinal, ele é a razão do negócio existir”, diz o advogado.

Fonte: Site UOL

 

Mais Notícias